paginadigital logo

Noé Filimão Massango
 

 | LITERATURA | CONFERENCIAS |  EXPOSICIONES | 

 
 
   

Home

Colegios

Universidades

Guía Comercio

Industria

Clases

Cursos

Seminarios

Eventos

Arte

Exposiciones

Galería de Arte

Literatura

Textos

Cine

Teatro

Música

Música Clásica

Teatro

Cine, TV, Video

Noticias

Artículos

Museos

C. Culturales

Concursos

Carreras

Becas

Posgrados

Taller literario

Servicios de Internet

Solidaria

Profesionales

Librería

Lectura - Textos

Foro de discusión

Links

Mapa del sitio

Noé Filimão Massango


 


Invergonhas de um pai mandrião

Caía a tarde, célere sobre o róseo infinito da paisagem quando vi uma lágrima desangustiada desprendendo-se lavrada dum rosto enrugado e aparentemente grelhado pela chuva do sol que ardeu o relento daquela cidade morta, recheada de insalubridade em cada esquina de sôfregos amotinados em raças.

Pendeu-me o destino instantaneamente desarvorado, revolvi a memória longínqua retraída a distancia onde passeara longe daquela imaginação obstrutiva de júbilos, e suspirei num jeito mórbido de subornar a alma para não esfiar a lágrima como aquela mãe desajeitada que não suportou o seu próprio vício.

Uma mãe com um grito delido roçando-lhe as costas pelos vistos seu filho preso num fio de seda que já foi capulana e pendurado como se fosse uma mochila num colo decapitado dos ombros já murchos e a cair devagar num fogo demolidor de aços com fumos de maledicência.

Aproximei-me devagar sentindo ao longe o tremor da terra escancarando a boca e devorando-lhe viva desde os pés enterrados descalços até a alma mais recôndita no subterfúgio naquele escasso universo insidiado; e o hálito da morte desbravando os sentidos em cada gesto improfícuo simulado na perceptível fuga inadiável para desafogar a imaginação.

Desarrumei o soalho vulgarizado pela natureza onde o homem não ousou enterrar a pedra e sosseguei o corpo desfalcado sem fogo para não ondear o medo sobre a dúvida e cristalizei-me.

Entre nós só deduzia-se um sigilo intransigível mesmo pelo vento que nos grudava. Sussurrei-lhe bem alto para não rotular o silêncio.
- Boa noite senhora
Desmanchou por completo os lábios, olhou-me impávida como se fosse uma ignóbil formiga que se atreve a morte inevitável por debaixo dum pé ambulante desprotegida. Descativou uma lágrima e agravou as valas macias do rosto quando o caudal subiu-lhe, alagou-se, mergulhando-se depois naquele caqui pegajoso não de lágrimas e adormeceu. Insinuei-a já com novos agasalhos de palavras emotivas e abrandantes para uma mãe que já sentiu na dor um grito sangrento entre o delírio e a morte.
- Boa noite mamã. Levantou-se e retorquiu
- Mamã eu? Só tenho um filho, este sem pa...
Não tardou o dilúvio nos olhos, já imaginava tudo que tinha por dizer mesmo sem aqueles mares para libertar toda aquela angústia que sufocava o peito daquela mãe improvidente que não via a claridade do seu suor em descalabro. Aqui também divulguei a incontinência da emoção mesmo com as asas na mente a desbravarem o silêncio, solucei.

Verdes,
Verdes são as árvores
desbravadas em silêncio
que tombam a chiar
e tombam entre as matas
densas de vegetação
esquartejadas em raças.

E prontos, o silêncio não era o alvo almejado enquanto cativarmos as palavras, nem a importunação pelo revertimento sequioso da angústia por um pai invergonhado, trabalhador a ganhar um filho mundano. Mesmo assim reverdecemos estendendo o dialogo na monção de suspiros eu aí feito um zarelho pertinaz a mendigar o pouco da desgraça.
- Mamã que aconteceu?
Regurgitou uma lágrima perene, último manjar disponível para desmotivar a fome e replicou:
- Pai dele filho, pai dele... que nem gostaria que o simulasse por engano ou ignorância num gesto igual ao dele se não evapora daqui e prontos. Evacuou-nos pior doque estamos com este filho dele, o filho que ele mesmo gerou e o nega agora porque ganha trezentos contos que não pode dividir com o seu próprio sangue, para dar a quem? È filho dele, definhado, carcomido e sugado pelas lágrimas da vida na alvura negando-lhe a paternidade. Será que fugir é solução? Suspirou profundamente desterrando arduamente o ódio e engoliu uma coisa bem palpável desta vez aliviando a fome lá no fundo do vácuo. E a noite ia içando por um lado a sua brumosa espuma sobre o universo enquanto o luar subia invisivelmente entre o fulvo da textura horrenda crucificado no azul do céu, assim juntos cobertos do mesmo lençol da vida.
- Mamã o que faz para viver?
- Viver? delido assim! Sobreviver filho, como servo dos mundanos, empregada da esquina, uma pobre sorrateira para ganhar porrada.
- Porrada?
- Sim, porrada! Senão aceito alargar esta família porrada meu filho, sem onde queixar é só cumprir, aliás quem sou eu aqui? Logo nesta casa infame dos malfadados e desempregados... Suplicou penosamente o cataplasma enquanto uma lágrima contínua e desagradável na indignação do seu casamento escorria as valas que o tempo insano sulcou naquela mulher desalentada para drenar a sua esperança.

É fértil a lágrima sobre os olhos
florindo verde o silêncio
no desespero duma mãe incorpórea
favos de ossos decompondo-se
sobre a lama fértil da solidão
com um bebé gordo
coladinho na boca
sugando-lhe as gengivas para sobreviver.

E o filho sereno, espertinou os olhos articulando os vigamentos da ponta à ponta e bradou como se uma lágrima da mãe coçasse-lhe dolorosamente. Encostou-lhe do lado esquerdo do peito e com a mão entre os favos vazios de alvéolos que já foram mamas engoliu-lhe a chucha presa entre os dedos que pelo seu desuso suplantava a involução. Chupou, chupou, chupou e adormeceu enquanto ela também coligia sonhos para empandeirar profundamente as lembranças dos dias lúgubres e indeléveis como estes e tantos. E não desatremar nem manchar a esperança adiada para amanha.

- Chau, visite-nos mais e sempre que poder... despediu-se ela e retirou-se ciente que algo tomara a sua plenitude desvigorando a marcha dos nossos consolos e imergiu-se naqueles andrajos do corpo que ao mesmo tempo cobre quando dorme fingindo que não sente nada e sucumbiu no vento, a necrópole das desgraças.

Já não podia mais perpetuar a estadia ali enquanto rubra a esperança de renovar a presença dia seguinte. Devastei avenidas sem fim, errante à busca dum conhecido meu que tolerasse um sôfrego a desoras onde o vulgo taxi não rastejava o asfalto àquela hora, rogando-lhe um abrigo por uma noite esfalfante e inolvidável como aquela. Terminada a marcha, esgotos de água arrebentados, tais modernos rios dos nossos ratos assim como farrapos e recados velhos como abrigos incônditos das nossas crias despistavam-me sem êxito o acesso àquela porta já matizada.
- Boa noite João
- Oooh! Faz favor, entre; a quanto tempo!... entre, não aconteceu alguma coisa pois não, ahhh... você não mudou, sente-se, então... E prontos, foi o reacender das boas lembranças num reencontro intempestivo onde pressagiara que velhos amigos não se esqueceriam em dias como aqueles. Descabiam-me manjares àquela hora, aliás quem suportaria tantas paciências? Faz favor! E mesmo inconfortável a dessuetude da esteira numa fétida e módica sala escura apertando-me até a própria alma servida com hombridade por quem não podia dar mais que aquilo adormeci mesmo sem aqueles sonhos habituais. E ao despertar não esperei o café da manhã, retornando e seguindo as pegadas que me levaram àquele sono a fim de retomar a amarga conversa suspensa para mais um lote de esquecimentos. Lá estava ela despertada e serena como quem planeia mais uma labuta e quando se apercebeu da minha presença desprendeu os lábios e sorriu.
- Bom dia mãe, aqui estou de novo, ainda se lembra de mim?
- Como não filho, afaste alguma coisa aí e sente-se. Replicou desfiando a carapinha desgrenhada e afastando intrusos grãos de arreia despregadas que importunavam a visão limpa quando retornassem ao solo.
- Mãe, não vai acordar o filho, parece que já faz sol aí e ainda mais há pessoas que querem...
- O quê? Acordar? Deixe-o filho, estatelado nesta rua dos malfadados e desesperados. Chi, afinal elas não sabem? Deixe-o, vogar sobre o leito que merece e se a morte planea-lo deixo-o vale a pena onde o sobreviver é o alento do dia, oque acha que será dele?
- Pode vir a trabalhar e quem sabe até vir a ser um homem...
- Não filho, ontófago. Talvez um homem esbanjado pelas moscas nas lixeiras à busca duma fatia que o pai farto trincou, mastigou, cuspiu e atirou aos pedacinhos fora só porque não quer que seja seu filho em casa aquele que ele mesmo gerou e não quis educar. Retorquiu com um dedo em riste espumando o olho esmagado pelo ódio. E num jeito de quem apercebera-se de tudo despertou de olhos embaciados sem o fulgor das outras manhás, desordenando os lábios como quem chupa o orvalho do universo esparso sem o catecismo dos outros meninos quando sentem fome.
- Não quer comer o bebé?
- Que bebé? Este que até sabe afunilar a língua e sorver pingos de desespero para sobreviver já que do leite não vem sortindo a tempo, onde está o sangue num cataplasma filho? Ainda mais quem lhe opinou deste alimento? Que continue filho de desafectos, de buscas , à sorte porque eu... Desflorei um silêncio coagido pensando no esplendor que raiava nos olhos futuros daquele menino entregue à sorte e prontos.
- E agora não vai fazer nada já que a catadura do seu filho...
- Afogar-me na arreia com um filho nas costas e dois sacos de milho na cabeça. Sacos dum sacana de patrão que não paga se não uma fatia de pão que os cães dele chutam para dar este cãozinho igual e ainda mais zombada com indizíveis palavras pungente e dolorosas para um ambulante e o pai dele invergonhado numa boa.
- E ele nunca vos procurou assim... nem nada?
- Oquê? procurar? Só cruzamo-nos as vezes e vê seu filho despiciendo na moina e apontando-lhe por um dedo amputado por um punhal de vergonhas.
- Acha que ele não sente vexame nenhum perante esta situação?
- Que vexame! Uma vergonha imputada a uma urgência descabida da vida, e nós? Onde está o crisol de pai? Será que haverá purgatório das inóspitas heresias modernas, corações sujos como estes, invenção mordaz das palavras cruéis? Onde está o atrito da vida para parar o cinismo? E o que é moral palavra que todos usamos se quem a diz no momento não se atreve a dizer onde morra?
- Está bem mãe, parece que o tempo...
Concluía exânime olhando para o relógio requestando-me as horas para mais um dia de tráfego.
- Não, não se preocupe filho, um dia quando este sobreviver e crescer, cruzarão as almas e gestos no mesmo asfalto disfarçados, seus olhos catracegos derramando a angústia e o ódio, sobre as mentes nas réstias de susto e desespero. Tristes revertendo gritos e lamúrias das vozes já desencaminhadas pelo tempo e alguém atento e ciente sobre o viço, levantando-se para dizer: "aquele é o pai dele", para todos o verem.


 

Gentileza:: Noé Filimão Massango nofima@yahoo.com.br

 

 

paginadigital


Ir al principio,
Noticias, opinión, política, derechos humanos, movimientos sociales, informes, latinoamerica
 
 
 
<h1>Diseño de sitios web</h1>
<h1>Diseño de sitios web</h1>
<h1>Diseño de sitios web</h1>

La historia del pueblo judío Un unico Dios La historia del pueblo judío. El motivo de ser del pueblo elegido.
La tarea trascendental del pueblo elegido. Las políticas de la Iglesia Católica. El fin del politeísmo.
El hilo conductor jamás revelado de uno de los libros más leídos y tal vez  menos comprendidos:
La Biblia.
BAJE EL LIBRO SIN COSTO
<h1>Taller literario</h1>
 

Diseño web
Optimización y posicionamiento

Clic Aquí

  Notas & Artículos
Educación
Noticias & Opiniones
Cartas de navegantes (opiniones)
El amasijo
Charlas sobre Arte
Entrevistas a artistas plásticos
Tecnología y ciencia
Teatro
Lectura y Textos
Artículos y boletines literarios
Temas varios
Entrevistas
Chistes
Columnas para sonreír
Reflexión
Biografías



colegio de traductores de martinez
hablar ingles en poco tiempo
El Genesis y la ciencia
libros digitales
alquiler de pantallas de led
genesis biblia
mudanzas en CABA
el genesis y la ciencia
libros en pdf
desarrollo de software
Eventos recreativos
prueba hidraulica de motores
Abogados
alquiler de escenarios en buenos aires
jardineria en buenos aires
Radio de tangos on line
jardineria en capital
cursos acelerados de ingles
un unico dios
camisetas de futbol
venta de tapas de cilindro
decoracion de interiores
muebles de dormitorios
kindle biblia
el genesis y la creacion del mundo
Tratamientos para adicciones
libros digitales
CTF Computer to film
Alquiler de pasarelas
Optimización web
 

© Copyright 1999-2010 Paginadigital®. - Hecho el depósito que marca la Ley 11723 - Derechos reservados  




|Pon a paginadigital en tu sitio | Sugiere esta página a un amigo | Responsabilidad |
 info@paginadigital.com.ar
   |  Ayuda |

Web diseñado y producido por paginadigital®, Copyright 1999 - 20151, todos los derechos reservados. Los nombres e íconos de: paginadigital, Kids, art, pinturas, grabados, dibujos, objetos. Todos los derechos reservados. Hecho el depósito que marca la Ley 11723 - Derechos reservados | Términos y condiciones

| Home | Cursos y talleres | Servicios de Internet |Agenda de Ferias y Exposiciones | Exposiciones de arte y galerías | Becas, maestrias y posgrados | Programación de teatro, cartelera | Centros culturales | Concursos de pintura, literatura, arte, video, television, tv, teatro, casting | | Conferencias, seminarios, jornadas | cartelera de cine, tv, fotografía | Música, recitales, bandas, música clásica | Libreria, venta de textos y libros | Museos | Coros, operas, conciertos | Noticias, notas y artículos | Música de tango, cena show | Textos, poesía, prosa, cuentos, poemas | Solidaridad | Tarot, astrología | Mapa del sitio | Foro | Not | Cart | Salas | Tel | Taller | Taller literario | Enlaces útiles